24 de ago de 2017

ELOY - “The Vision, The Sword and The Pyre – Part I” - 2017

Hoje tive uma gratíssima surpresa que certamente será uma grata surpresa para outros também, pois mais uma vez, o mago do rock progressivo, Frank Bornemann, nos presenteia com seu mais novo álbum, “The Vision, The Sword and The Pyre – Part I”, recem saído dos fornos de sua gravadora, logicamente com sua marca registrada, o ELOY

Os anos vão passando, mas o vigor, a intensidade e principalmente sua criatividade só aumentam, pois logo na primeira faixa ele nos remete a outra dimensão musical e quem é bem velhinho como eu e acompanha a banda a mais de quatro décadas vai entender o que estou dizendo.

Mesmo bandas setentistas que ainda estão na ativa e lançaram trabalhos mais recentemente não conseguiram trazer a verdadeira atmosfera que caracteristicamente marca o rock progressivo, com temas muito bem elaborados e que são materializados com arranjos complexos e sofisticados, o que demanda perícia e virtuosismo de seus músicos e como todos dessa época devem estar com idades variando pela casa dos setenta anos é totalmente compreensível muitas vezes, a falta de saco para ir adiante e ousar. 

E por falar em músicos virtuosos, não custa lembrar que Frank Bornemann (vocals, guitar) não faz tudo sozinho, portanto ele não está só nesta empreitada, muito pelo contrário, está muito bem acompanhado de amigos de longa data como Klaus-Peter Matziol (bass), Hannes Folberth (keyboards), Michael Gerlach (keyboards), Bodo Schopf (drums) e para reforçar o elenco, Anke Renner (vocals) e Volker Kuinke (recorder).

Com um elenco desses, a unidade musical do Eloy fica extremamente preservada, levando-se em conta a existência de músicos que praticamente passaram por todas as fases da banda desde os idos dos anos setenta e claro, a presença mandatória e marcante de Frank Bornemann, o mentor musical de toda esta loucura.


Só deu tempo de escutar o álbum uma vez, para que pudesse disponibiliza-lo logo, mas do pouco que o que ouvi, mas posso afirmar que ele é muito mais bem elaborado e rico em sua temática em relação ao seu antecessor de estúdio, Visionary, lançado em 2009, que considero um álbum muito bom também.

Esta única escutada, foi suficiente para (....daqui para frente é um spoiler, portanto vá por sua conta e risco....) sentir a presença marcante de álbuns como, “Planets” e o “Time to Turn”, com uma pitadinha do “Silent cries and mighty echoes” se entrelaçando, criando um novo cenário musical, mas preservando o DNA da banda, que para quem já está familiarizado sabe que vai escutar belíssimos arranjos e solos de teclado e guitarra, acompanhados de um coro vocal para selar o enredo. 

Trata-se de, se me permitem, de uma opera rock, focada na história da heroína francesa, Joana D’arc, onde Frank Bornemann explora de forma bem sofisticada e precisa, a vida, seus feitos e seu trágico destino, que aparentemente será explorada em duas partes, mas só o tempo vai dizer se haverá sequência para este ambicioso projeto que está sendo maturado já a alguns anos e que tem como objetivo final, uma grande produção para os palcos, portanto só nos resta ficar na torcida para que realmente ele seja concluído.

Enquanto isso não acontece, aproveitemos a primeira parte desta intrigante história, ao som de uma das melhores e longevas bandas de rock progressivo de todos os tempos, sob o comando de uma das mais brilhantes mentes da música, Frank Bornemann.

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

ELOY:
Fank Bornemann - vocals, guitar
Hannes Folberth - keyboards
Michael Gerlach - keyboards
Klaus-Peter Matziol - bass
Bodo Schopf - drums
Guests:
Anke Renner - vocals
Volker Kuinke - recorder


Tracks:
01. The Age Of The Hundred Years' War
02. Domremy On The 6th Of January 1412
03. Early Signs ... From A Longed For Miracle
04. Autumn 1428 At Home
05. The Call
06. Vaucouleurs
07. The Ride By Night... Towards The Predestined Fate
08. Chinon
09. The Prophecy
10. The Sword
11. Orleans
12. Les Tourelles
13. Why?



31 de mai de 2017

TRIUMVIRAT - " Live At Palace Theatre, Providence, RI" - 1974


Como já havia comentado antes, para me fazer sair da toca, tal qual uma moreia, tem que ter um motivo muito forte, e para tanto, só uma banda como o Triumvirat para me estimular a tal feito.

É de conhecimento geral que a banda é mosca branca na net, pois há muito pouco material disponível, portanto antes de tudo é uma obrigação em divulga-lo logo para que mais interessados na música da banda tenha acesso a este documento histórico.

Este álbum trata-se de um show realizado no Palace Providence, RI, em 1974, trazendo na íntegra, as músicas do álbum "Illusions on a Double Dimple", que é um marco na história da banda.

A gravação não está boa, está muito metalizada, mas é o que temos para o momento, e se houver algum “Cristo” com aptidões especificas em remasterizar estes arquivos que foram criados a partir de gravações em fita "Dan Lanpinski" (confesso que nunca tinha ouvido falar), a comunidade progressiva desde já, agradece muito. 
Fato interessante é poder ouvir a  voz do saudoso "Helmut Köllen" ao vivo, fora do ambiente de estúdio, mostrando o que realmente sabia fazer, pois sua passagem deixou uma lacuna nas vozes progressivas dos anos setenta.

"Jurgen Fritz" dispensa qualquer tipo de comentário a respeito de sua genialidade e virtuosismo diante de seus teclados, pois fica evidente quando escutamos qualquer musica sua. 

"Hans Bathelt", como sempre dá um espetáculo em sua bateria, e talvez muito entusiasmado pelo andamento do show, praticamente acaba com seu instrumento durante a execução da suite, "Mister Ten Percent", dando uma aula de como é que realmente se faz.  
 
A bem da verdade, não há muito o que comentar, pois as músicas do álbum, "Illusions on a Double Dimple" são muito conhecidas e exaustivamente discutidas em milhares de blogs, inclusive aqui, portanto, vou ficando por aqui, e  não percam a oportunidade de se encontrarem com mais esta pérola do "Triumvirat".

RECOMENDADÍSSIMO!!!!
  

Triumvirat:
- Hans Bathelt — percussão
- Jürgen Fritz — teclados, vocais
- Helmut Köllen — baixo, violão, guitarra, vocal principal

Tracks:
01) Illusions On A Double Dimple
Flashback
Schooldays
Triangle
Illusions
Dimplicity
Last Dance
02) Mister Ten Percent
Maze
Dawning
Bad Deal
Roundabout
Lucky Girl
Million Dollars


LINK




24 de mar de 2017

Postagem comemorativa da marca dos mais de 1.000.000 de acessos - IQ - "Subterranea The Concert" - 1999

Hoje atingimos a marca de mais de 1.000.000 de acessos, após sete anos de trabalho, o que hoje em dia não é nada tendo em vista a velocidade dos acontecimentos, mas se observarmos a especificidade da temática do blog, eu particularmente fico muito feliz.

Olhando para trás, lembro que aconteceu muita coisa boa e ruim, momentos muito engraçados, mas também muito tensos e com muito destempero de minha parte e de alguns visitantes, mas o que importa é que estamos todos vivos e bem.
Pela terceira vez, vou repetir um mesmo álbum, não só por gostar muito dele, mas principalmente por ele ser um campeão de acessos, o que reflete a importância musical que este álbum representa.

Para quem ainda não o conhece, não perca a chance de estar diante de uns dos álbuns mais carismáticos e fantásticos que eu em minha longa jornada de vida eu me deparei, mas vamos ao que realmente interessa ou seja, ao álbum, Subterranea The Concert, do IQ, banda da segunda geração do rock progressivo.

Aproveito o momento para agradecer a todos por termos atingido esta marca, pois ela não é minha, mas sim o resultado da audiência de todos vocês ao longo destes sete anos de convivência, portanto mais uma vez, muitíssimo obrigado!!!! 

Na última postagem eu havia dito o seguinte:



"Ultimamente o volume de informações que tem chegado até o blog, via os “Comentários”, é tão grande que eu confesso que estou ficando completamente perdido e um tanto pirado, pois como as opiniões são diversas e em alguns casos bem divergentes, mas ao mesmo tempo com muita consistência, isto tem me causado certa confusão mental, ou seja, há muita coisa ainda a ser refletida. 

Tenho observado certo saudosismo em relação ao cenário musical atual (de minha parte também), onde todos de alguma forma têm expressado suas opiniões neste sentido, o que me causa certa preocupação, pois talvez eu e os demais amigos que têm frequentado o “boteco dos comentários”, estejamos sendo exigentes demais e um tanto preconceituosos em relação a tudo o que foi produzido após os anos setenta, que em meu conceito, é um ponto fora de uma curva de normalidade e que provavelmente jamais será igualado ou mesmo superado.

Nós não podemos nos tornar um bando de “velhinhos” chatos, decrépitos e reacionários, que só conseguem olhar para trás com medo do que possa estar pela frente, por temer que algo novo seja melhor ou tão bom quanto o que vivemos no passado, apesar de que eu ache isso bem difícil de acontecer, mas em fim, cada cabeça é uma sentença e tudo pode acontecer, portanto, há algum tempo eu tenho experimentado ouvir algumas bandas mais atuais para dar uma reeducada no gosto, mas isso é uma conversa para outro fórum. 

Eu mesmo sou um defensor que os anos oitenta para a música, foram os anos das trevas, da mediocridade musical e tudo mais, e analisando o que aconteceu nos anos 80 e 90 em relação a grandes nomes que surgiram como representantes da música daquelas décadas, realmente não há com o que ficar entusiasmado, porém, uma pequena chama do rock progressivo, permaneceu acesa em um universo Underground em paralelo a tudo que estava acontecendo no mundo da música. 

Lembro que, nomes muito interessantes e hoje em dia bem conhecidos, surgiram no meio do caos formado pelo Punk Rock, New Wave, o movimento Grunge e outras subvertentes musicais de menor destaque, e no caso poderia citar algumas bandas como o Marilion, Pendragon, IQ, Citezen Cain, Glass Hammer, Dream Theater, será??? , Mostly Autunm mais tardiamente e alguns outros nomes que se analisarmos friamente, sem o manto sagrado setentista, isolando-os de uma época inimaginável como foi a década de setenta, é possível ficar diante de trabalhos muito bons e alguns até excepcionais.

Um trabalho que eu considero excepcional é o “Subterranea - The Concert”, do IQ, que eu já havia postado há uns dois anos atrás e agora mais uma vez o trago a tona, por ser um belíssimo trabalho, que corajosamente sem medo de levar porradas, comparei-o com The Lamb Lies Down On Broadway, tamanha a sua grandiosidade e sofisticação para um tempo em que não se exigia mais que uns três acordes e tudo bem. 

Caracteristicamente, seu vocalista, Peter Nichols tem como ídolo, motivação e inspiração, Peter Gabriel, o que não é de se estranhar, pois os vocalistas do Marillion e do Citizen Cain também o tinham como referencia, mas porque será???

O IQ tem também conta com um cidadão chamado Martin Orford que simplesmente é um gênio compositor e um invejável e exímio tecladista, criando atmosferas espaciais muito bem elaboradas. 


Na resenha anterior, eu coloquei mais detalhes que podem orientar melhor o que é esta banda e principalmente o que significou o álbum, “Subterranea - The Concert”, para a segunda geração do rock progressivo, o “Neoprog” e por incrível que possa parecer, tem tudo a ver com o que estamos sentindo neste momento, principalmente o que está dito no último parágrafo."


RECOMENDADÍSSIMO!!!!

IQ:
Paul Cook / drums, percussion
Michael Holmes / guitars, keyboards
John Jowitt / bass, bass pedals
Peter Nicholls / vocals
Martin Orford / keyboards, backing vocals
Guest musician:
Tony Wright / saxophone


Tracks:
CD 1
01. Overture
02. Provider
03. Subterranea
04. Sleepless Incidental
05. Failsafe
06. Speak My Name
07. Tunnel Vision
08. Infernal Chorus
09. King of Fools
10. Sense in Sanity
11. State of Mine

CD 2
01. Laid Low
02. Breathtaker
03. Capricorn
04. The Other Side
05. Unsolid Ground
06. Somewhere in Time
07. High Waters
08. The Narrow Margin



LINK


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails