20 de set de 2016

KANSAS - “The Prelude Implicit” - 2016

Só mesmo uma banda feito o Kansas para me tirar do recesso musical a que estou submetido por conta de compromissos profissionais, entretanto, o motivo é mais que nobre, pois não é todo dia que temos um lançamento que realmente valha a pena gastar saliva, digo, palavras escritas.

A princípio sempre assusta um pouco quando uma banda digamos, “das antigas”, resolve lançar algo novo, pois nunca se sabe o que pode surgir, mas neste caso, escutando apenas uma única música, esse temor foi logo dissipado, pois de imediato bateu uma sensação que se tinha quando uma destas bandas dita “das antigas” lançava um novo álbum.

Fácil de explicar, pois quem conhece os álbuns mais antigos do Kansas, vai lembrar de álbuns como “Leftoverture”; ” Point Of Know Return” e Monolith, que são álbuns consagradíssimos, mas pasmem, escutando as músicas de “The Prelude Implicit”, o mais novo álbum do Kansas, o décimo sexto da discografia da banda.

Essa trilogia citada logo acima habita entre os anos de 1976 a 1979, ou seja, a fase mais clássica e produtiva da banda, com músicas absolutamente carismáticas e sofisticadas e com seu melhor elenco de músicos em todos os tempos da banda.


Muito bem, e agora, como a banda está formada? Foi a primeira coisa que me ocorreu em ver quem havia sobrado do elenco clássico principal, pois desde o último lançamento, são dezesseis anos de um longo período sem pisar em um estúdio e para meu espanto, sobraram penas 2 elementos.

Phil Ehart e Rich Williams, os últimos do Moicanos do Kansas, só que eu já tinha gostado do álbum sem saber dessa pseuda perda de DNA, pois realmente o álbum é supreendentemente muito bom, sem grande firulas e pirotecnias, mas eles acertaram a mão neste trabalho, pois os novos integrantes(????) dão a impressão de terem sido membros da banda em outras épocas. 

De certo modo são, pois pesquisando cada elemento, com exceção de David Manion, nos teclados, Ronnie Platt no vocais e Zak Rizvi, nas guitarras, realmente os demais já fazem parte da banda a bastante tempo, mas como eu foco muito no trabalho dos anos setenta, a princípio todos eram novos integrantes para mim, coisa que não se confirmou depois.


O ponto mais positivo desse álbum é o resgate das origens da banda, a busca de sua essência perdida e reprimida a tempos e que tão bem caracteriza o caráter da banda, pois há uma aura muito positiva que envolve essas músicas, portanto não é difícil voltar ao passado por essa ponte que nos leva ao centro da fase áurea da banda.

É muito bom voltar a escutar o som do violino rasgando as músicas, acompanhada de um vocal muito bem colocado, que combina com o timbre da banda e que em certos momentos nos lembra da voz de Steve Walsh, provocando um “deja-vu”, não melancólico, mas gostoso de lembrar como era o Kansas da década de setenta.

Como a primeira música que escutei foi “Visibility Zero”, vou usa-la para expressar o sentimento de todo o álbum, pois ela foi a responsável pelo meu ímpeto em voltar a escrever, por isso posso afirmar sem medo de estar exagerando que este álbum é uma das grandes surpresas de 2016, senão a maior de todas, pois estamos diante de um trabalho corajoso, que remete o ouvinte ao passado, mas de forma moderna e arrojada, sem ser piegas e que certamente vai atingir até os menos habituados ao som da banda.




Tem de tudo neste álbum, indo da baladinha até o pancadão, sem medo de ser feliz, de forma muito harmoniosa e inteligente, aliando antigos conceitos musicais a novas tendências, prendendo a atenção, o que é muito difícil, principalmente nos dias de hoje, ou seja, sobra argumento para segurar e entreter os fãs e os não fãs da banda até o final do álbum. 

Particularmente eu fiquei muito feliz em poder escutar esse trabalho e fico apenas imaginando como deva estar o ego e 0 orgulho desses músicos, pois realmente fizeram um trabalho admirável, digno de receber aplausos e elogios dos fãs e da crítica em geral.

Musicians
Phil Ehart / Drums, Percussion
Billy Greer / Bass, Vocals
David Manion / Keyboards
Ronnie Platt / Lead Vocals, Keyboards
David Ragsdale / Violin, Vocals
Rich Williams / Electric Guitar, Acoustic Guitar
Zak Rizvi / Electric Guitar

Tracks:
01. With This Heart
02. Visibility Zero
03. The Unsung Heroes
04. Rhythm in the Spirit
05. Refugee
06. The Voyage of Eight Eighteen
07. Camouflage
08. Summer
09. Crowded Isolation
10. Section 60
11. Home on the Range (Cover Version)
12. Oh Shenandoah (Cover Version)


NEW LINK

6 comentários:

  1. Arquivo não encontrado para baixar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo aviso..... Novo Link; http://nitroflare.com/view/634EE83D1E4CB77/The_Prelude_Implicit_MP3.rar/free

      Abraços,

      Gustavo

      Excluir
  2. NAO CONSEGUI BAIXAR. VAI SO PARA O PREMIUM
    SE PUDER AJUDAR.
    GRATO
    JAIRO

    ResponderExcluir
  3. Fala Gustavo,
    Estou baixando aqui, muito obrigado! Um novo trabalho desta banda com mais de 40 anos de estrada, é uma excelente surpresa. Valeu por compartilhar mais esta.
    Abraços a todos,
    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Kansas like Kansas....
    sensacional a volta deles!

    ResponderExcluir
  5. O disco pode até ser bom, a postagem foi válida, mas Kansas sem Karry Livgren, Steve Walsh e Robby Steinhardt não é Kansas.
    Na banda, integravam dois guitarristas, um deles tocava teclados... o vocalista Steve Walsh também tocava teclados e o violinista também atuava nos vocais. Mesmo o baixista Dave Hope faz falta.Era uma banda atípica, até no visual, bem medieval. E Kerry Livgren era um baita de compositor.
    Valeu!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails