12 de set de 2015

THE BEATLES - "Why Don’t We Do It In The Bowl" - 1964/1965

Como nem só de rock progressivo vive o homem (no caso, eu) e o álbum em questão é no mínimo um registro histórico da banda mais famosa do mundo, claro que eu me refiro a “The Beatles”, com direito a gritaria histérica da mulherada ao fundo de todas as músicas e tudo mais, conferindo a autenticidade do que relato agora, dou uma parada na minha praia progressiva e parto para o puro e saudável Rock’n Roll.

A gravação está da melhor qualidade, o que é um fato raro, tendo em vista à época em que os shows foram gravados, portanto desde já, nossos maiores agradecimentos aos homens da remasterização deste álbum.

Hollywood Bowl
Este álbum, "Why Don’t We Do It In The Bowl” nos brinda com três shows realizados no não menos legendário Hollywood Bowl, a mais famosa concha acústica do planeta, situada em Los Angeles, CA, USA, no dia 23 de agosto de 1964 e nos dias 29 e 30 de agosto de 1965.

Obviamente há uma repetição de músicas entre os shows, mas em se tratando dos “Fab Four”, não é um incomodo, é um prêmio e como qualidade sonora das gravações está muito boa, pela gritaria dá para imaginar a loucura que foi um show desses, com casa cheia, a mulherada completamente enlouquecida com os quatro carinhas, fazendo o que de melhor faziam naqueles tempos, tocar de forma franciscana, o mais simples o possível, sem pirotecnias ou qualquer tipo de intervenção externa que não fosse a própria música. 

Acredito que como num alinhamento dos planetas com o sol, tudo conspirou para que estes quatro jovens músicos se tornassem uma lenda (algumas vivas e outras não) e talvez esse fenômeno esteja ligado diretamente à época em que surgiram, pós Segunda Grande Guerra, Guerra do Vietnam, as mudanças comportamentais da que a sociedade passava, logicamente tudo isto somado a inteligência musical que tinham e que é inegável.

As músicas realmente são um fenômeno pela simplicidade com que foram criadas inicialmente, utilizando-se de temas diversos, com curta duração, mas que no inconsciente coletivo, cada uma delas virou um hino em nossas mentes e este fenômeno parece que não quer acabar, pois até as gerações mais recentes também se rendem a elas.

Com toda esta simplicidade eles não só mudaram os rumos da música nos anos sessenta, como também influenciaram as demais gerações que vieram no aspecto comportamental, na moda e logicamente a música nunca mais foi a mesma com o surgimento deles e talvez pelo fim prematuro, o que abriu as portas dos anos setenta para a proliferação de vertentes musicais de toda a sorte e bandas de rock que até hoje habitam nossas mentes.

A separação deles é algo muito traumático até hoje, entretanto não podemos negar que com a separação, ganhamos quatro gênios musicais que isoladamente a sua maneira nos proporcionaram uma overdose musical sem precedentes na história da música contemporânea, pois será que com eles juntos, teríamos por exemplo, um momento tão mágico como foi o “The Concert For Bangladesh” de George Harrison, ou mesmo o surgimento de uma banda como foi o Wings de Paul MacCartney ou até mesmo será que teríamos tido o privilégio de escutar uma música como “Imagine” de John Lennon no auge de sua simplicidade, ou seja, o que se percebe é que de uma forma ou de outra eles mudaram o mundo.

Apenas abrindo um parêntesis, nem só de simplicidade eles viveram, pois à partir de 1967, se levarmos em conta álbuns como, “Magical Mistery Tour”, “White Album”, “Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band”, "Yellow Submarine" e "Abbey Road", todos muito influenciados pelo surgimento do movimento psicodélico nos final dos anos sessenta e principalmente pelo encontro que tiveram nesta época com o guru indiano, Maharishi Mahesh Yogi que os elevou a um outro plano espiritual através da meditação transcendental, contribuindo para o amadurecimento da banda. 


Tem uma música em especial dos "The Beatles", chamada “Tomorrow Never Knows”, que está disponível no álbum “Revolver” de 1966, que de tanto que já foi regravada, dá até para fazer uma resenha só para ela com suas diversas versões gravadas por grandes nomes de rock como, “Jimi Hendrix”, “Collage”, “Phil Collins” (pasmem, a versão é ótima), "Tangerine Dream", “The Mission”, “Living Colour”, “Herbie Hancock” e tantos outros.

Seu conteúdo já carregava um pouco do psicodelismo que começava a surgir, conferindo-lhe uma atmosfera intrigante, envolvente e hipnótica, talvez sendo uma das músicas mais complexas e sofisticadas que eles já criaram e uma das versões que mais gosto, está no álbum, “801 live” de "Phil Manzanera", simplesmente e absolutamente fantástica.

IMPERDÍVEL!!!!



Set List:




Um comentário:

  1. E aí, galera, tudo na mais perfeita desordem?
    Depois de anos de hibernação, resolvi reativar o Plano Z, dessa vez com uma proposta um pouco diferente, meio que mixando o que eu fazia n’O Pântano Elétrico com a natureza mais light do PZ, ou seja, continuarei postando discos pra galera baixar, mas a postagem deverá ter um texto mais curto e direto do que eu costumava escrever lá no Pântano. Também pretendo não focar somente nos discos, postando o que der veneta, seja lá o que isso significa... rsrs
    Sendo assim, então, aqui está o convite para um passeio pelo Plano Z, para conferir as novas postagens. A gente se esbarra por lá.
    Grande abraço!
    Valeu!
    PS: desculpe a mensagem genérica, mas com tantos a serem visitados ia ficar complicado...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails