29 de jan de 2014

V. A. - COLOSSUS PROJECTS - "The Tales of Edgar Allan Poe: A SyNphonic Collection" - 2010

Existe um dito popular que diz que: “Quem tem padrinho, não morre pagão!”, e eu já complementei este dito algumas vezes aqui no blog com: “E quem tem amigos, também não!!”, pois esta postagem só está sendo possível, graças ao amigo, “Ricardo LDR” que sempre que pode, dá seus “pitacos” aqui e em outros blogs, com o intuito de enriquecer as resenhas e recentemente me presenteou com este álbum que eu já estava atrás há algum tempo, mas sem sucesso em obtê-lo.

Entretanto, esse mesmo amigo, passa por um momento um tanto difícil e nestas horas uma palavra amiga é sempre uma luz no final do túnel e só para que possam ter uma ideia do significado da palavra “amizade”, eu fui alertado por “Breu”, um integrante da Tropa de Elite do VALVULADO, um blog irmão, sobre o que estava acontecendo com “Ricardo LDR”.

Apenas um pequeno detalhe, pois acredito que nenhum de nós em sua maioria já tenha tido contato pessoal, ou seja, é uma amizade virtual, que tomou forma a partir de um interesse em comum, a “música” e que de alguma forma nos uniu e os laços de amizade se formaram, portanto a preocupação foi a mesma de uma amizade pessoal.

Senogul
Portanto, esta postagem que de qualquer forma seria para ele em agradecimento ao presente que recebi, ganha dimensão maior, portanto, peço a liberdade de em nome de todos os demais amigos do “boteco”, dedicá-la a “Ricardo LDR”.

Meu velho, neste momento uma grande “corrente” de pensamentos positivos de fé e de esperança já esta formada com o objetivo de te dar ânimo e forças para que possa ir em frente, seja qual for a adversidade que esteja enfrentado, pois não cabe expô-la aqui.

Velhão, conte conosco, pois todos estão torcendo por você!!!! Tenha fé nisto!!!!

Quanto ao presente que citei acima, trata-se do álbum, “The Tales Of Edgar Allan Poe (A SyNphonic Collection)", uma iniciativa do Colossus Projects, lançada em 2010, que reúne várias bandas e músicos isolados, em torno da obra de Edgar Alan Poe que é um verdadeiro objeto de desejo para bandas de rock, levando-se em conta a complexidade e a riqueza de seus contos, uma fonte inesgotável de inspiração para compositores e músicos, levando-os a criar viagens musicais alucinantes.

Marco Lo Muscio
Um bom e conhecido exemplo a ser lembrado é o de Alan Parsons com seu álbum, “Tales of Mystery & Imagination”, onde alguns contos deste mesmo escritor foram musicados em 1976, no auge do rock progressivo, transformando este álbum em um dos seus mais bem sucedidos projetos musicais.

Caracteristicamente, o Colossus Project, trabalha com bandas das gerações mais recentes do rock progressivo com resultados surpreendentes e como não poderia deixar de ser, neste álbum não foi diferente, onde a tônica deste projeto girou em torno da musica instrumental com poucas passagens cantadas.

Das bandas presentes, a única de meu conhecimento, ficou por conta de Anima Morte, banda Sueca, que tem como estilo de compor, a linha filosófica de bandas como, Anglard, Samla Mammas Manna, Par Lindh Project, Goblin e outros e provavelmente é por essa questão que este projeto é tão atraente, pois sempre está dando oportunidade para que novas bandas possam mostrar seu trabalho.

As músicas que mais chamaram a  minha atenção foram “The Cask of Amontillado”/ Magnetic Sound Machine; “The Purloined Letter”/Jukka Kulju; “The Premature Burial”/Anima Morte e “Hop Frog”/Areknames, lembrando que esta é uma pequena amostra e o álbum se bem explorado, pode ainda trazer grandes surpresas.


ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Convidados:
Anima Morte
Areknamés
Armalite
Blank Manuskript
Chansonoir
Daal
Dunwich
Guy LeBlanc
Jinetes Negros
Jukka Kulju
Karda Estra
La Théorie des Cordes
Little Tragedies
Magnetic Sound Machine
Marco Lo Muscio
N.O.T.
Oracle
Senogul


Tracks:
CD-1
01 Intro (Marco Lo Muscio)
02 The Black Cat (Senogul)
03 A Descent Into the Maelström (La Théorie des Cordes)
04 The Tell-Tale Heart (Oracle)
05 The Sphinx (N.O.T.)
06 The Oblong Box (Dunwich)
07 The Oval Portrait (Guy LeBlanc)
08The Masque of the Red Death (Jinetes Negros)
09 The Pit and the Pendulum (Karda Estra)

CD-2
01 The Purloined Letter (Jukka Kulju)
02 The Premature Burial (Anima Morte)
03 The Gold-Bug (Blank Manuskript)
04 Hop-Frog (Areknamés)
05 The Man of the Crowd (Little Tragedies)
06 The Murders in the Rue Morgue (Armalite)
07 Ligeia (Chansonoir)
08 The Cask of Amontillado (Magnetic Sound Machine)
09 The Fall of the House of Usher (Daal)

LINK

14 comentários:

  1. Grande post. Parabéns Gustavo. Uma homenagem ao Ricardo, com uma sonzeira de primeira. Estas atitudes realmente fazem a diferença, e por isso, este é o local oficial do Buteco, onde todos se sentem muito bem.
    obrigado, meu chapa...

    ResponderExcluir
  2. Gustavo, muito obrigado pela força e pela oportunidade de retribuir sua generosidade em compartilhar tantas e tão boas notas musicais. Momentos bons e ruins passam. Vale o aprendizado e a sensação de não estarmos sozinhos. Valeu pela força e pela solidariedade tanto sua quanto da tropa dos Valvulados, Anc e Dead! Abraços a todos e espero que gostem do som.

    ResponderExcluir
  3. Aí Ricardo... Bom te ver aqui, camarada.
    Gustavo, demais o post e a homenagem. Um brinde a vocês, ao Ondas, a amizade virtual...
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Eu diria neste momento, mais do que nunca - em que em pese a qualidade musical do material colocado à disposição de TODOS -

    A música neste caso realmente nada mais é do que uma alegoria e um pano de fundo...As cadeiras estão sendo aos poucos tomadas, e nosso amigo Ricardo, nos brinda com sua volta...O que pode ser mais importante que isso????

    A alegria e o prazer de reunir velhos amigos para conversar, ouvindo música de qualidade!!! ,,,,,,,,,,,,Eu Anc, prometo...Ninguém mais vai roubar essa alegria de nós.......

    Como diria o veterano Ozzy " My eyes are blind, but I can see!!!! "

    ABRAÇO...FORÇA...SUCESSO!!!!!

    ANC

    ResponderExcluir
  5. Tarrrrde!!! Aqui é o Valvulado em um computador anônimo, em uma internet anônima...
    Ricardo, muito bom te ler/ver aqui.
    O mestre cervejeiro está na ativa!!! Muito bom também.
    O post está demais, Gustavo. Muito obrigado.
    Um abraço a todos

    ResponderExcluir
  6. E aí, moçada. Belíssimo post, obrigado Gustavo.
    Ricardo, bom te ver aqui.
    Anc, prepare-se para a pergunta... Qual a banda atual mais setentista?

    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wishbone Ash e Birth Control.
      At., Zé Colmeia

      Excluir
  7. Sem sombra de dúvidas.....Rush.....atravessou os anos 70 setenta, de braçada com hard rock e progressivo, não se deixou contaminar pelo movimento punk, soube explorar as tendencias eletrônicas dos anos 80 sem se corromper como o Yes, teve sabedoria e maturidade para envelhecer , e ao contrário do Yes, ainda lota estádios....

    Espero ter acertado a resposta Man.....Na verdade eu iria responder Black Sabbath...mas o o Sabbath na verdade seria o maior Revival do rock....

    Quando vejo o Rush no palco, penso..."Putz..e se todos os Dinossauros tivessem o mesmo juizo na cabeça que o Rush teve?????....Eu acho que o mundo hoje seria um pouco melhor...Não muito, mas um pouco.

    ABRAÇO...FORÇA....SUCESSO A TODOS!
    ANC.

    "My eyes are blind, but I can see"

    ResponderExcluir
  8. Rush, Wishbone Ash, Birth Control. Hummm...
    Eu vou de Deep Purple (O Gus falou isto no post anterior)...
    Amo o Rush, mas na década de 80, principalmente a partir de Sygnals, deu uma mudada em relação aos anos 70. Lembro do Geddy Lee com um bottom do Devo e vi que os caras tinham mudado o estilo, mas continuavam uma P... Banda. Deixo bem claro que um dos meus discos preferidos é o 2112...
    Uma banda que gosto e também sempre se manteve no estilo é o ACDC...

    ResponderExcluir
  9. Ô saudade de um bom papo bebendo uma cerveja em tão boa companhia... E apenas complementando suas opiniões, admiro o trabalho do Camel. Tá certo que eles deram uma escorregada muito feia nos anos 80, ao lançarem The Single Factor em 1982, mas se recuperaram ao lançar Dust And Dreams em 1991 (pulei Stationary Traveller lançado em 1984), Harbour of Tears em 1997, Rajaz em 1999, finalizando a carreira de estúdio em 2002, com A Nod and a Wink. Tem sido difícil ler notícias atualizadas, mas quero crer que Andrew Latimer esteja recuperado após o transplante de medula e trabalhando em um novo álbum. Só uma palhinha do que pode vir por aí:
    http://www.youtube.com/watch?v=z4hbjUfSYMk
    Abraços a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A meu ver, o Camel acabou com a saída de Peter Bardens, se tornando um projeto de Andrew Latimer, um dos músicos mais competentes do rock. Como de praxe, A.L. usou o nome da famosa banda para vender mais discos.
      Mas, qualidade musical sempre esteve presente em todos os trabalhos, incluindo The Single Factor eo Stationary Traveller, a meu ver.
      Abraços a todos
      Oswald Lee

      Excluir
  10. Todo mundo deu uma escorregada nos anos 80...Wishbone Ash muito bem lembrado!!!

    Quem era produto dos anos 80, saiu fora da estrada quando a década acabou...Insisto..O Rush foi a única banda que se manteve firme no volante.....

    Maior prova, é que está soberana no século XXI.

    Anc.

    "My eyes are blind, but I can see"

    ResponderExcluir
  11. Ricardo, meu velho, seja muito bem vindo e saiba que todos estão torcendo por você.........

    Teve uma questão muito bem levantada pelo “Zé Colméia”, a partir de uma afirmação que eu havia feito direcionada ao Eloy na última resenha, quanto ao seu comportamento “setentista” em pleno século 21, no show acontecido em 2013 e lançado em 2014......

    O Anc, observou bem, pois, todas as bandas em algum momento deram uma derrapada em sua trajetória, até mesmo por questões de sobrevivência e mudaram o curso de sua história, tendo algumas que se recuperaram e outras não....

    Eu particularmente não consigo vislumbrar uma banda sequer, que tenha tido um comportamento linear por tanto tempo, pois afinal estamos nos referindo a quatro décadas de existência e ao longo deste período, as tendências musicais variaram de forma brutal e entre a criatividade das bandas e nós, simples mortais, existe uma indústria fonográfica muito burra, que na maioria dos casos é quem decide o destino da música e dos músicos.......

    E se simplesmente não existisse a Indústria fonográfica, outro fato que se deve levar em consideração é que por ser uma “banda”, significa que existe mais de uma cabeça pensando, portanto, acho muito difícil que todos concordem com tudo o tempo todo e consigam levar a bom termo a sua própria existência...........

    Esse exercício proposto pelo Zé Colméia está sendo muito produtivo, pois está fazendo todo mundo movimentar os neurônios e acredito que não exista uma única solução para esta proposição, portanto pode até ser que eu mude de ideia em algum momento e encontre uma banda “linear no tempo”, portanto, a que mais se aproxima desta tendência pelo conjunto da obra, em meu entendimento, continua sendo o Deep Purple......

    Um forte abraço em todos,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  12. Estamos falando de bandas que sobreviveram a 40 anos...Bem, ou mal, foram mais de 40 anos....

    Eu pergunto, qual foi o tempo de sobrevivência do Alphaville???? Do Adan and Antes???? do Thomas Dolby???

    Qual a Banda mais noventista ou oitentista da atualidade????

    Nada mais tenho a declarar....Um futuro sombrio está despontando à nossa frente....

    ANC
    "My eyes are blind but I can see!"

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails