10 de set de 2013

MUSEO ROSENBACH - “Zarathustra Live In Studio” & " “Barbarica” - 2012/2013

Quarenta anos depois do lançamento de seu primeiro álbum, o não menos legendário e emblemático, “Zarathustra”, o Museo Rosenbach volta aos estúdios e à cena progressiva,  lançando sua mais nova obra, “Barbarica”,  fato acontecido em março de 2013, remontando a atmosfera progressiva dos anos setenta.

Para chegar até "Barbarica", parte dos integrantes originais do grupo se reuniu novamente, acertou suas contas, pois ao que parece houve alguma briga interna entre eles, para então produzirem primeiramente uma releitura de “Zarathustra”, lançada em outubro de 2012 e intitulada, “Zarathustra Live In Studio”, onde novos músicos foram agregados para esta difícil empreitada.

Para este projeto, além de Giancarlo Golzi, Alberto Moreno e Stefano Lupo Galpi, da formação clássica, foram convidados para este primeiro projeto, Andy Senis, Fabio Meggetto, Max Borelli e Sandro Libra.

O resultado deste “ritorno”, em meu conceito, foi altamente positivo, pois “Zarathustra” é uma prova que o rock progressivo está mais vivo do que poderíamos imaginar e seus músicos, tantos os antigos, bem como os novos integrantes, estão totalmente em forma e alinhados com as necessidades que este tipo de música tão complexa exige, abrindo as portas para novos projetos.

Espantosamente, Stefano "Lupo" Galpi, manteve sua belíssima voz preservada, nos permitindo sentir à mesma teatralidade vocal que tanto o caracterizou há quatro décadas.

Logicamente, novos recursos tecnológicos foram agregados a esta releitura, portanto, além dos tradicionais equipamentos analógicos, moderníssimos mellotrons e sintetizadores foram incluídos, bem como, passaram a trabalhar com duas guitarras simultaneamente, encorpando  ainda mais o denso enredo de "Zarathustra".

“Zarathustra” é uma peça definitiva, conceitual ao extremo e como tantas outras, como Supper’s Ready, Close to the Edge, Karn Evil 9 e etc..., tem vida própria, não se admitindo desaforos, onde somente seus criadores poderiam desafia-la da forma como o fizeram, sem macular sua tradição e essência. 

Com este mesmo espírito e formação de músicos, podemos agora adentrar a fantasia de “Barbarica”, que como já havia dito, conseguiu sem muito esforço resgatar um dos momentos mais importantes do rock progressivo Italiano e mundial, contando a história de um mundo que se torna inóspito e consequentemente inabitável, por conta de guerras intermináveis que abalam o meio ambiente, gerando catástrofes naturais, castigando de forma violenta e cruel seus habitantes.

Um personagem, provavelmente o herói desta trama, tem o poder de mudar o trágico destino que se aplaca sobre os sobreviventes deste mundo, pois como é um visionário, consegue prever um futuro distante deste turbulento momento em que vivem.

Com este enredo, “Barbarica”, traz de volta o espírito do rock progressivo italiano em seu melhor momento, com orquestrações grandiosas, associadas à dramática voz de “Lupo” que com tota a naturalidade conseguiu imprimir o peso da nefasta situação que se abateu sobre este mundo fictício.

Este álbum não faz um contraponto com “Zarathustra”, pois aparentemente não houve a intenção de se criar algo realmente novo e conflitante com o passado e ao contrário disso, o que se percebe é a tentativa de se resgatar uma sonoridade que ficou para trás, sem ser saudosista e/ou extravagante, entretanto, mantendo suas principais características estruturais e se permitindo a flertar com outros segmentos do rock progressivo que vieram depois dos anos setenta.

Diante do lastimável cenário musical em que vivemos, é no mínimo um ato de coragem do Museo Rosenbach, em reeditar sua obra máxima, “Zarathustra” e criar uma nova obra conceitual, “Barbarica”, ignorando a existência da acéfala indústria fonográfica, a crítica burra e até mesmo as últimas gerações de jovens que são maciçamente submetidos a consumir uma música totalmente descartável que não dura mais que um verão, pois logo é substituída por outra mais fácil ainda de ser consumida. 

Por conta dos argumentos acima, do próprio Museo Rosenbach e dos dois excelentes álbuns produzidos recentemente pela banda, não resta alternativa senão a de recomendar a todos a audição destas duas peças.

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Museo Rosenbach
Stefano Lupo Galifi / vocals
Giancarlo Golzi / drums
Alberto Moreno / piano
Fabio Meggetto / keyboards
Sandro Libra / guitars
Max Borelli / guitars
Andy Senis / bass



Álbuns:

Zarathustra Live In Studio
01. Intro + Dell'eterno ritorno 
02. Degli uomini
 
03. Della natura
 
04. Zarathustra:
 
  a. L'ultimo uomo
 
  b. Il re di ieri
 
  c. Al di la del bene e del male
 
  d. Superuomo
 
  e. Il tempio delle clessidre


Barbarica:
01. Il Respiro Del Pianeta
02. La Coda Del Diavolo
03. Abbandonati
04. Fiore Di Vendetta
05. Il Re Del Circo

LINK

 

6 comentários:

  1. Amigo GUSTAVO....

    Depois da "efervescência" das férias de julho, tudo (ou quase tudo) voltou aos seus devidos lugares....

    O trabalho e a família consomem todo o meu tempo e verifiquei que praticamente o mesmo aconteceu para todos, pois os "embates" acabaram....mas...estou voltando...


    Estou a cerca de 1 mês trocando (espero que toda!) minha coleção de arquivos mp3 para FLAC...depois que eu encontrei o portal: http://en.true-audio.com/Tau_Analyzer_-_CD_Authenticity_Detector
    minha forma de encarar os arquivos FLAC mudou...este programa é um "verificador de autenticidade na compactação" e mostra graficamente a ENORME PERDA de informação que temos na compactação mp3, corte abrupto em 16KHz!!!!! sem falar da perda de informação nos médios e graves!!!

    Resumindo: VOLTEI a utilizar o cd-player de meu automóvel e também em casa, e APOSENTEI o pen drive como dispositivo reprodutor de mp3.....verifiquem!!!! o resultado é fantástico....e será proporcionalmente MAIOR, quanto maior for a fidelidade de seu equipamento sonoro!!!

    A grande SONY também se rende à qualidade inquestionável e está lançando um FLAC PLAYER profissional!!!,
    pois os "portáteis" já existem a tempos!!!
    Espero então, que vc supere as limitações de banda, e inicie as postagens deste GRANDE blog em FLAC!!!

    Just Try it...


    Eu aprendi...
    ...que ignorar os fatos não os altera;

    Eu aprendi...
    ...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;

    Eu aprendi...
    ...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;

    Eu aprendi...
    ...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;

    Eu aprendi...
    ...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

    Eu aprendi...
    ...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

    Eu aprendi...
    ...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;

    Eu aprendi...
    ...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;

    Eu aprendi...
    ...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;

    Eu aprendi...
    ...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.
    (Boa noite , Amor )
    William Shakespeare

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro WS,

      Eu tb já tinha notado este Pit-Stop estratégico pelos demais blogs..... coisa normal....

      Quanto a qualidade do Flac, isto não resta dúvidas, entretanto, por conta de seu tamanho, dificulta por demais os Ups e os downs e para isso, precisamos de um a internet mais eficiente.... mas é um caso a se pensar......

      No mais meu velho, um grande abraço.....

      Gustavo

      Excluir
  2. A Itália desbanca a Inglaterra em termos de rock progressivo.

    O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém.
    William Shakespeare

    Bill Omelete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Itália na década de 70 foi uma grande contribuinte em número de bandas de rock progressivo, mas em termos de qualidade, já não posso dizer o mesmo, apesar de gostar muito das bandas que lá surgiram.....

      Abraços velhão.....

      Gustavo

      Excluir
  3. Ai estimado Gustavo,
    Paso por aquí solo para agradecer tu preocupación por mi, la verdad es que sufrí un accidente del que escapé apenas y de apoco, muy de a poco voy volviendo a ponerme nuevamente al día en mis actividades.
    Saludos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aponcho meu velho,

      Que grata surpresa em tê-lo de volta à ativa e com um belo álbum do Rush...

      Espero que tudo esteja muito bem com você e que seu pronto restabelecimento aconteça o mais rápido possível........

      Um forte abraço,

      Gustavo

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails