31 de ago de 2011

PREMIATA FORNERIA MARCONI - "10 Anni live" - 1996

Lançado em 1996, o álbum, "10 Anni live", resgata um período histórico do rock progressivo, promovido pela banda italiana mais cultuada do planeta, o Premiata Forneria Marconi, um ícone do rock dos anos setenta e que até hoje nos encanta. 

Divido em quatro CD’s, este Box-set de músicas extraidas das apresentações púiblicas que o PFM fez entre os anos de 1971 a 1981 na Europa e nos EUA 

A viagem começa logo no primeiro CD que cobre os anos de 1971 e 1972, com um cover da música, “21th century schizoid man” do King Crimson e em seguida, sem dar tempo para respirar, outra pérola, “God” do Jethro Tull que também teve "Bouree" cantada pelos italianos. 

No segundo CD, que cobre o período dos anos de 1973 e 1974, somos brindados com algumas gemas, como “Four holes in the ground”; “Mr. 9 till 5”; “Impressioni di Settembre” que são alguns dos destaques da turnê que eferveceu de vez com o movimento progressivo nas terras do "Tio Sam". 

Chegando ao terceiro CD, que representa os anos de 1975 e 1976, o álbum “Chocolate Kings” era o foco, proporcionando uma turnê por diversos países, mas estranhamente só aparecem duas músicas deste álbum que são respectivamente, “Paper charms” e “Chocolate kings”, mas tem “William Tell overture” e “Celebration” que são ótimas também. 

No quarto CD, os registros são datados dos anos 1978 a 1981 espelhando as turnês dos álbuns, “Jet Lag”, “Passpartú” e “Performance”, trazendo também algumas músicas do passado como “Dove...quando...”; “Out of the roundabout” e “Celebration”

Encerrando esta breve resenha, pois o PFM e suas maravilhosas músicas dispensam qualquer apresentação, fica este Box-set como uma excelente porta de entrada para novos aficionados que com certeza serão encantados pelas performances, acontecidas em shows antológicos que os gênios Italianos proporcionaram para seus fãs no passado, bem como uma oportunidade para os que a mais tempo conhecem  o trabalho da banda  para matar as saudades de uma época em que o que mais contava era o talento. 

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Musicians:
CD 1:
Franz Di Cioccio / drums & vocals
Franco Mussida / acoustic guitar, electric guitar & vocals
Mauro Pagani / flute, violin & vocals
Giorgio Piazza / bass & vocals
Flavio Premoli / Hammond organ, piano, Mellotron, Mini Moog & vocals

CD 2:
Jan Patrick Djivas / bass
Franz Di Cioccio / drums & vocals
Franco Mussida / electric guitar, acoustic guitar & vocals
Mauro Pagani / flute, violin & vocals
Flavio Premoli / Hammond organ, piano, Mellotron, Moog & vocals

CD 3:
Jan Patrick Djivas / bass
Franz Di Cioccio / drums & vocals
Bernardo Lanzetti / rhythmic guitar & vocals
Franco Mussida / electric guitar, acoustic guitar & vocals
Mauro Pagani / flute, violin & vocals
Flavio Premoli / Hammond organ, piano, Mellotron, Moog & vocals

CD 4:
Gregory Bloch / violin
Jan Patrick Djivas / fretless bass
Franz Di Cioccio / drums & vocals
Bernardo Lanzetti / rhythmic guitar & vocals
Franco Mussida / electric guitar, acoustic guitar & vocals
Flavio Premoli / electric piano, "Pari" organ, micro Moog & vocals
Roberto Colombo / keyboards
Roberto Haliffi / percussion
Lucio Fabri / violin & keyboards
Walter Calloni drums

Tracks:

CD 1 - 1971-1972 L'inizio tour italiano
01. 21th century schizoid man (4:39)
02. My God (6:24)
03. Picture of the city (4:39)
04. Bollate guitar jam (5:43)
05. Bollate keyboard jam (7:20)
06. Bouree (3:17)
07. Bouree jam (3:59)
08. La carrozza di Hans (9:26)
09. Dove...quando... (4:23)

CD 2 - 1973-1974 L'esperienza americana "the world became the world" tour
01. Four holes in the ground (7:26)
02. Is my face on straight (8:41)
03. Cleveland keyboard jam (5:39)
04. Mr. 9 till 5 (5:35)
05. Alta Loma 5 till 9 (11:09)
06. JC violin jam (2:49)
07. Classic violin solo (3:38)
08. William Tell overture (2:08)
09. La carrozza di Hans (6:12)
10. Central Park drum solo (8:37)
11. Impressioni di Settembre (1:01)
12. Poseidon (1:54)

CD 3 - 1975-1976 In giro per il mondo "chocolate kings" tour
01. Four holes in the ground (6:40)
02. Spanish jam (7:55)
03. Pascolo siderale jam (4:41)
04. Mediterranea jam (4:50)
05. Acustic guitar solo (3:00)
06. Paper charms (9:30)
07. La grande fuga (7:09)
08. Chocolate kings (5:01)
09. WB violin jam (5:02)
10. Violin classic solo (2:33)
11. William Tell overture (2:17)
12. Celebration (6:59)
13. Drum solo (4:51)
14. Impressioni di Settembre (0:53)
15. Poseidon (2:07)

CD 4 - 1977-1978 Contaminazioni "jet lag" tour, "passpartù" tour / 1980-1981 Verso un nuovo rock "performance" tour 
01. Out of the roundabout (8:21)
02. Left-handed theory (4:26)
03. Dove...quando... (4:59)
04. Jet lag (10:36)
05. Greek reflection (2:29)
06. Traveller (5:46)
07. Violin suite (4:03)
08. Violin dance (1:41)
09. Violin west dance (1:09)
10. Celebration (5:03)
11. Passpartù (7:56)
12. Suonare suonare (4:28)
13. Maestro della voce (7:17)
14. Chi ha paura della notte ? (6:42)

LINK 01
LINK 02


"William Tell overture"

"Celebration"

"Mr. 9 'till 5 and Alta Loma Five till Nine"

28 de ago de 2011

V. A. - "Pink Box - Songs of Pink Floyd"

Toda vez que eu encontro um álbum tributo, seja para quem for, eu sempre tenho um mau pressentimento, mas desta vez, este sentimento foi extinto logo na primeira faixa de "Pink Box - Songs of Pink Floyd", obvio, uma homenagem ao Pink Floyd

Como este tributo foi feito por grandes nomes do rock, o resultado não poderia ser diferente, ou seja, fantastico, pois tem músico saído de tudo quanto é banda, como: Yes, Asia, Jethro Tull, Toto, Nektar, The Doors, ELP, Styx, Gentle Giant, The Tubes, Hawkwind, Dream Theater, Journey, The Cars, King Crimson e Deep Purple, portanto, fica evidente a qualidade musical de peças Pinkfloydianas que há tantos anos nos embala. 

Somente uma banda como o Pink Floyd poderia reunir e inspirar tantos músicos “estelares” a participar deste verdeiro tributo, pois não é fácil conseguir um elenco que entre outros teve a participação de Rick Wakeman; Keith Emerson, Steve Howe, Alan White, Ian Anderson, Edgar Winter, Adrian Belew, Peter Banks, John Wetton e mais uma penca de gente muito boa que se dispôs a homenagear merecidamente uma das bandas mais expressivas do movimento rock’n roll em todos os tempos. 

Quanto às músicas escolhidas, não poderiam ser melhores, pois foram retiradas dos álbuns mais significativos da banda, como: “The Dark Side of The Moon”; “Umagumma”; ”Wish You Were Here; ”Meddle” e “The Wall”, portanto, este bootleg tem música e músicos para tudo quanto é gosto, é só dar uma experimetada. 

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!

Track List: 
CD 1
01. Speak To Me / Breathe - Malcom McDowell (A Clockwork Orange), Adrian Belew
02. In The Flesh - Adrian Belew (King Crimson) And Keith Emerson (Elp)
03. On The Run - Larry Fast (Nektar) And Alan White (Yes)
04. The Thin Ice - Ian Anderson (Jethro Tull)
05. Time - Garry Green (Gentle Giant) And Robby Krieger (The Doors)
06. Another Brick In The Wall Part 1 - Steve Morse (Deep Purple)
07. The Great Gig In The Sky - Rick Wakeman (Yes) And Steve Howe (Yes)
08. Mother - John Wetton (Asia)
09. Money - Edgar Winter, Bill Bruford (Yes) And Tony Levin (King Crimson)
10. Echoes - Alien xxx Fiend
11. Any Colour You Like - Robben Ford, Steve Porcaro (Toto) And Aynsley Dunbar (Journey)
12. Young Lust - Glenn Hughes (Deep Purple) And Elliot Easton (The Cars)
13. Obscured By Clouds - Ummagumma


CD 2
01. Have A Cigar - Bobby Kimball (Toto)
02. Brain Damage - Geoff Downes (Asia) And Robby Krieger (The Doors)
03. Eclipse - Peter Banks (Yes), Tony Kaye (Yes) And John Wetton (Asia)
04. Set The Controls For The Heat Of The Sun - Psychic TV
05. Hey You - Tommy Shaw (Styx) And Steve Lukather (Toto)
06. Shine On You Crazy Diamond - Steve Lukather (Toto)
07. Comfortably Numb - Chris Squire (Yes) And Alan White (Yes)
08. Welcome To The Machine - Derek Sherinian (Dream Theater)
09. Run Like Hell - Dweezil Zappa And Keith Emerson (Elp)
10. Another Brick In The Wall Part 2 - Fee Waybill (The Tubes)
11. Goodbye Blue Sky - Steve Howe (Yes)
12. Careful With That Axe, Eugene - Nik Turner (Hawkwind)

LINK
"The Great Gig In The Sky"

"Have A Cigar"

"Another Brick In The Wall Part 2"

24 de ago de 2011

GENESIS - "Charisma Festival" - 1973

Este bootleg, “Charisma Festival”, foi gravado no Palasport em Roma, em 19 de janeiro e no Palazzo Dello Sport, em Reggio Emila no dia 20 de janeiro de 1973 e espelha algumas das músicas apresentadas pelo Genesis em um momento magistral, tendo sido patrocinado pela gravadora “Charisma Label”, na figura de Tony Stratton-Smith que era o seu dirigente máximo à época deste acontecimento. 

Além do Genesis, outros grandes nomes estiveram por lá, como Peter Hammill, Lindsfarne, Capability Brown entre outros para abrilhantar este festival de música que teve como foco central a participação Genesis

O momento não poderia ser mais propício para o Genesis do que este, pois em primeiríssimo lugar, a banda encontrava-se em ascenção estratosférica por conta do sucesso de seus álbuns anteriores, “Trespass”, “Nursery Crime” e “Foxtrot”, uma Santíssima Trindade Musical, incontestável.

 Em segundo lugar, marcavam terreno em um País que também era um berço do rock progressivo, altamente fértil no surgimento de bandas de grande categoria e reconhecimento internacional, mas que tiveram que se render a um dos grupos mais geniais e irresistíveis da década de setenta. 

A importancia deste evento para o Genesis foi muito grande, pois na Itália surgiram bandas de um álbum só, mas com um legado musical que até hoje são admiradas, portanto fazer sucesso em um lugar habitado por este tipo de banda e várias outras mais conhecidas como, “Museo Rosembach”, “PFM”, “Banco Del Mutuo Soccorso”, “Consorzio Acqua Potabile” e tantas outras não mencionadas, não seria uma tarefa muito fácil, porém, o sucesso foi inevitável. 

E não é para menos, pois apesar das poucas músicas apresentadas, as escolhas foram absolutamente corretas, portanto, para o publico e a crítica local só restou como opção rasgar muita seda sobre a banda e o show, pois realmente foi um momento de grande inspiração e talento. 

O mellotron que introduz a música, “Watcher Of The Skies” que abre o evento, é no mínimo revelador, pois um público exigente, acostumado a grandes audições de suas bandas locais, ficou de boca aberta com o que estavam assistindo, simplesmente hipnotizados com a música que anunciava o que ainda estava por vir. 

E o que ainda viria, seria um golpe de misericórdia no coração dos Italianos, tendo em vista que musicas como, “The Musical Box"; “The Fountain Of Salmacis”; “Supper's Ready”; “The Return Of The Giant Hogweed” e “The Knife”, ficariam soando por muito tempo na mente de quem por lá esteve, pois a banda estava talvez naquele momento no seu período mais inspirador.

ALTAMENTE RECOMENDADO !!!

Musicians
Tony Banks / organ, mellotron, piano, electric piano, acoustic 12 string guitar, backing vocals
Phil Collins / drums, percussion, backing vocals
Peter Gabriel / lead vocals, flute, tambourine, bass drum, oboe
Steve Hackett / electric guitar, acoustic 12 string guitar, acoustic 6 string guitar
Mike Rutherford / bass guitar, bass pedals, acoustic 12 string guitar, cello, backing vocals

Tracks:
1. Watcher Of The Skies 8:07
2. The Musical Box 11:25
3. The Fountain Of Salmacis 8:38
4. Supper's Ready 25:18
5. The Return Of The Giant Hogweed 8:16
6. The Knife 9:30

LINK

"Watcher Of The Skies"

"The Musical Box"

"Supper's Ready - pt 1"

"Supper's Ready - pt 2"

"Supper's Ready - pt 3"

PS: Nossos agradecimentos a alma iluminada que se deu ao trabalho de legendar e postar estas raridades

19 de ago de 2011

TANGERINE DREAM - "Cyclone" 1978

Cyclone é o nono álbum do Tangerine Dream e sexto dos “Virgin Years”, sendo lançado em 1978 e segundo reza a lenda, tomando muita pedrada, inclusive com reações um tanto agressivas por parte dos fãs, somente porque Edgar Froese experimentou a inserção da voz humana neste trabalho. 

Muito me espanta esta reação, se é que realmente ela aconteceu, pois este álbum é excelente, traz em seu DNA fortes influências Pinfloydianas que muito bem caracterizam sua escência, fazendo-o fugir um pouco do “eletrônico visceral”, aproximando-o do rock progressivo e ao mesmo tempo humanizando sua música. 

Este trabalho trata-se de uma suíte dividida em apenas três faixas, mas com muita movimentação e lirismo, com momentos quase poéticos e um tanto pscicodélicos, o que em meu entendimento estreita as relações entre a obra e o ouvinte, pois é sabido que, a música do Tangerine Dream em geral não é para qualquer um, tendo em vista que ela exige boa dose destreza auditiva e pre-disposição ao mundo da música eletrônica. 

Se levarmos em conta os mais de quarenta anos de trabalho de Edgar Froese à frente do Tangerine Dream, pode-se chegar à conclusão que ele é um cientista da música eletrônica, por isso é considerado um gênio, portanto as experimentações fazem parte de sua rotina de criação, sendo totalmente justificada a sua atitude em adicionar a voz humana como mais um elemento em seu trabalho. 

Outros astros consagrados da música eletrônica, como o Kraftwerk, no passado o fizeram e que eu saiba, nunca houve o menor problema, daí o meu espanto em relação a esta possível recepção negativa que este trabalho teve quando foi lançado, já que é uma peça com características que a tornam abrangente, a ponto de agradar inclusive quem não é muito familiarizado com a música do Tangerine Dream

Eu o recomendo muito, sem restrições de qualquer espécie, pois realmente Edgar Froese estava naquele momento se reinventando em sua nona criação e como isso aconteceu com apenas uns dez anos de estrada, fica muito evidente o potencial, a coragem e principalmente a genialidade de um músico incomparável e inimitável que estava aflorando e em muito ainda ia contribuir para o engrandecimento  e disseminação da música eletrônica. 


ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!!

Musicians
Edgar Froese: Oberheim eight voice polyphonics synth, Twin keyboard Mellotron Mark V, Arp digital soloist synth, Moog modular synth & projekt electronic time control system, Gibson Les Paul custom guitars, Korg PS 3100 polyphonic synth, Roland GS 500 guitar & GR 500 controller, Solina string ensemble, ovation acoustic guitar

Christoph Franke: Moog modular synth, projekt electronic sequencer, computer studio digital sequencer, Loop, Mellotron, Mellotron M 400, Arp soloist synth, Elka string synth, electronic percussion, Oberheim sequencer, Oberheim eight voice polyphonic synth, OBY One

Steve Jolliffe: Vocals, bass flute, C-flute, piccolo, COR Angelas, bass clarinet, Hohner clarinet, Elka string synth, Grand piano, Fender Rhodes, Roland System-100 synth, Tenor & Soprano horns, lyricon by computone

Klaus Krieger: Polyester custom built drums with multi trigger unit, electronic percussion, Paiste cymbals, Bubims, Burma Gong set

Tracks:
01. Bent Cold Sidewalk (13:00)
02. Rising Runner Missed By Endless Sender (4:55)
03. Madrigal Meridian (20:32)
"Bent Cold Sidewalk"

"Madrigal Meridian - pt.1"

"Madrigal Meridian - pt.2"

"Madrigal Meridian - pt.3"

16 de ago de 2011

YES - "Endless Road" - 1994

O Yes em 1994 realizava a “Talk Tour” que para nosso deleite, geraram vários bootlegs, sendo um deles, este que agora apresento, “Endless Road”, gravado em onze de agosto de 1994, no Orlando Arena, Orlando, Flórida, USA. 

Curiosamente, o albúm de estúdio, “Talk”, lançado neste mesmo ano, é um dos poucos álbuns produzidos pelo Yes, que mesmo sem contar com sua formação clássica, supreendeu pela sua proposta e qualidade musical. 

Desta vez, as ausências de membros honoráveis, como Wakeman e Howe, não botaram em risco a escência da banda, pois a proposta para este álbum, foi de uma sonoridade menos rebuscada, mais coloquial, sem no entanto, haver uma temática forte e predominante que defina exatamente onde quisera chegar, mas de alguma forma, conseguem atingir o coração de quem escuta suas músicas, isto é fato, pelo menos para mim. 

Tanto Tony Keye como Trevor Rabin, adaptaram-se muito bem a este álbum e consequentemente às apresentações, portanto, este bootleg é uma excelente oportunidade para curtir o som do Yes em um momento, talvez não tão brilhante como o passado dos anos setenta, mas que pode revelar um Yes mais descontraído e bem menos compromissado com padrões musicais conflitantes para aquele momento. 

Boa parte das músicas, são oriundas do álbum “Talk”, onde podemos destacar, “The Calling” e “I Am Waiting” que são tocadas em sequência logo no inicio do show, como músicas absolutamente “lindas”, um primor, sem exageros, na dose certa para agradar. 

A super balada “Owner Of A Lonely Heart”, logicamente faz parte do set-list do show, bem como “Roundabout”, “Heart Of The Sunrise”, “I’ve Seen All Good People” e “Perpetual Change” que são as representantes da fase de ouro da banda. 

No mais, relativo às outras músicas não citadas e a apresentação da banda, o Yes nunca deixa por menos quando está diante de uma platéia, ou seja, é mais uma apresentação impecável e invejável de um dos ícones mais significativos do rock progressivo. 

Na procura por algum vídeo no Youtube para ilustrar este show, acabei achando o Yes fazendo um cover com a música, “Purple Haze” de Jimmi Hendrix, que não está neste bootleg, mas que foi executada semanas após este show, no Chile, simplesmente imperdível. 

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Musicians:
Jon Anderson - lead and backing vocals
Trevor Rabin - electric and acoustic guitars, keyboards, programming, lead and backing vocals
Tony Kaye - Hammond organ
Chris Squire - bass guitar, backing vocals
Alan White - drums

Tracks:
Disc 1
01. Opening – Perpetual Change
02. The Calling
03. I Am Waiting
04. Rhythm Of Love
05. Hearts
06. Real Love
07. Changes
08. Heart Of The Sunrise

Disc 2
01. Make It Easy
02. Owner Of A Lonely Heart
03. And You And I
04. Where Will You Be
05. I’ve Seen All Good People
06. Walls
07. Endless Dream
08. Roundabout

Disc 3
01. Cinema
02. City Of Love

LINK 01
LINK 02

"The Calling"

"Purple Haze"

12 de ago de 2011

PINK FLOYD - "The Wall Live At Earl's Court" - 1980

Mais uma vez é o Pink Floyd que está em foco, apresentando uma de suas obras supremas, o “The Wall”, desta vez no Earl's Court em 1980, em uma de suas melhores apresentações, ocasião em que o registro filmográfico desta apresentação foi feito de forma um tanto caseira e de onde foi extraido o áudio que agora apresento. 

Por tratar-se do Pink Floyd, não há muito que comentar, por razões óbvias, mas no caso de “The Wall”, vale à pena fazer uma analogia com a música clássica, que no passado, utilzava-se de uma tématica única, que dava a vida às grandes sinfonias, elaboradas pelos gênios da música como, Mozart, Beethoven, Bach, Vivaldi e tantos outros que faziam uma música de vanguarda para a época, em concertos inesquecíveis. 

Quando escuto “The Wall”, a impressão que tenho é que estou diante de uma sinfonia, só que, do nosso tempo, futurista, temática ao extremo, agora não mais executada por uma sinfônica e um regente, mas pelos quatro cavaleiros do apocalipse da musica, muiniciados apenas com seu talento e virtuosismo aplicados a obra que Roger Waters praticamente criou sozinho. 


Não é um atarefa muito simples escutar por completo esta densa e profunda peça musical, mas é a única maneira de compreendê-la e entender o que se passava com Roger Waters no início do momento “baixa estima” que ele passou na ocasião desta criação. 

A história reflete as angústias de Pink, que é uma persona fictícia, criada por Roger Waters, que se isola da sociedade, por conta dos maus tratos e ridicularização de seus professores, a perda de seu pai na Segunda Grande Guerra Mundial, o protecionismo exagerado de sua mãe e o fim de seu casamento. 

Basedo no parágrafo acima, se fosse um simples mortal a passar por este inferno, simplesmente jogaria-se de um ponte bem alta ou na linha eletrificada de algum Metrô, mas como estamos nos referindo a um gênio, ele cria uma  Opera Rock, que se torna o álbum mais vendido de 1980, atingindo a marca dos 11,5 milhões de cópias oficiais somente nos EUA, conquistando o primeiríssimo lugar na Billboard. 

Quem quiser o acesso ao vídeo, é só acessar o blog DVD Concert , que além deste, têm um fantástico, invejável e diversificado acervo de shows para agradar a Gregos e Troianos.

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Musicians:
Roger Waters — vocal, baixo, guitarra, percussão, programação
Richard Wright — teclado, vocal, órgão, piano, sintetizador, mellotron
Nick Mason — bateria, percussão, programação
David Gilmour — vocal, guitarra, baixo, teclado, efeitos especiais

Tracks:
Disc 1
01.Master Of Cremonies
02.In The Flesh?
03.The Ice
04.Another Brick In The Wall PT.1
05.Happiest Day Of Our Lives
06.Another Brick In The Wall PT.2
07.Mother
08.Goodbye Blue Sky
09.Empty Spaces
10.What Shall We Do Now?
11.Young Lust
12.One Of My Turns
13.Don't Leave Me Now
14.Another Brick In The Wall PT.3
15.Last Few Bricks
16.Goodbye Cruel World

Disc2
01.Hey You
02.Is There Anybody Out There?
03.Nobody Home
04.Vera
05.Bring The Boys Back Home
06.Comfprtably Numb
07.The Show Must Go On
08.Master Of Cremonies
09.In The Flesh
10.Run Like Hell
11.Wating For The Worms
12.Stop
13.The Trial
14.Outside The Wall

LINK

"Run Like a Hell"

"Another Brick In The Wall, Part 1"

7 de ago de 2011

YES - "The White Album" - 1972

O “The White Album” é parte integrante da Fragile Tour, que o Yes realizava em 1972 na Holanda, ou seja, há quase quarenta anos e continua com a mesma magia, com a aquela sonoridade contagiante que te transporta imediatamente para uma lisérgica viagem musical. 

Pode parecer até loucura ou exagero de minha parte, mas este sentimento é constante e acontece sempre que escuto as músicas dos álbuns anteriores ao “Relayer”, que é excelente, um primor, teve a importantíssima participação de Patrick Moraz que fez uma renovação na banda, mas sem a magia contagiante que a formação clássica sempre teve. 

Existia alguma aura no Yes entre seus membros, que mesmo com o retorno de Rick Wakeman para a gravação de “Going for the one”, só dá para sentir o mesmo sentimento na música “Awaken”, que de alguma forma estabelece uma conexão com o álbum “Tales From Topographics Oceans”, obra prima da banda e um ícone do rock progressivo, ai sim, remetendo-me a um passado brilhante, que cada dia mais, está presente em minha memória auditiva. 

Apesar de ser um curto registro desta turnê, pois só há seis músicas distribuidas nas cinco faixas, este álbum é o passaporte para embarcar na nave espacial Yes e descobrir novas dimensões musicais, que só uma banda formada por gênios consegue um feito como este, pois é inegável a competência e o virtuosismo de todos que passaram pela banda na década de setenta. 


ALTAMENTE RECOMENDADO!!!

Musians:
Jon Anderson - vocal
Steve Howe - guitarra
Rick Wakeman - teclado
Chris Squire - baixo
Bill Bruford - bateria

Tracks:
1) I've seen all good people 7.46
2) Heart of the sunrise 9.50
3) Rick wakeman solo 7.38
4) Long distance runaround 3.17
5) The fish (schindleria praematurus) 1.22
6) Yours is no disgrace 8.05

LINK

"The fish"

"Your Move"

"I've seen all good people"

4 de ago de 2011

V. A. - "BEST PROG ROCK ALBUM IN THE WORLD... EVER" - 2003

Está chegando mais um frio final de semana, pelo menos para aqueles que vivem na região sul e parte do sudeste e muita gente vai botar o pé de borracha na estrada, portanto, uma boa oportunidade para escutar um bom rock progressivo, logicamente dentro dos limites de velocidade. 

Pensando nisto, lembrei que tinha uma compilação até que bem elaborada, chamada, “Best Prog Rock Album In The World... Ever”, feita em 2003, em três CDs, que fazem uma varredura nos diversos caminhos que rock porgressivo tomou. 

Obviamente falta muita banda que poderia ter sido considerada, mas por questões comerciais, realmente fica muito difícil administrar diversas gravadoras e empresários ao mesmo tempo, sem contar que acima de três cd’s, o produto fica muito caro e dificulta muito a sua comercialização.

Atomic Rooster
Eu particularmente senti a falta do Pink Floyd, Triumvirat, Eloy, Grobschintt e tantas outras bandas que poderiam estar agregados a esta coletânea que por sinal, tem um nome um tanto pomposo em relação ao seu conteúdo, mas como gosto é uma coisa muito íntima de cada um, vamos considerar com boa vontade este trabalho que pode agradar a muita gente, pois afinal diversos nomes de bandas e músicos de peso estão considerados, como o Yes, Camel, ELP, Focus, ELO e Jethro Tull, que são os nomes mais populares.

Notei que não houve uma preocupação específica quanto à seleção das músicas, bem como da sua ordenação dentro das três mídias, o que no fundo têm um lado positivo, pois dá uma mobilidade músical mais dinâmica com a salada mista que foi feita entre as músicas e as bandas. 

Greenslsde
Curiosamente o Deep Purple, que é uma banda que eu adoro, está aquí como uma banda progressiva, um tanto estranho, mas pode ser que por conta de Sir Jon Lord, que é um mestre dos teclados e principalmente dos orgãos Hammond, tenha confundido a cabeça de quem escolheu as bandas. 

Outro nome um tanto esquisito que faz parte desta coletânea, pois também não o considero progressivo, é o de Frank Zappa, pois sinceramente até hoje não consegui rotular o tipo de música que produz e a rigor nunca me identifiquei muito com ela, apesar de saber que ele tem uma imensa legião de fãs, mas que é estranho é. 

É claro que cada um, tem a sua lista de bandas e músicas preferidas e seria humanamente impossível atender a todos, porém esta compilação pode ser considerada como uma boa porta de entrada para quem não é familiarizado com este tipo de música, pois afinal são diversas bandas e músicos que podem dar uma boa noção do que é este mundo.

Musicians and Bands:
Anthony Phillips (with Mike Rutherford & Phil Collins) / Atomic Rooster / Ayers, Kevin (& The Whole World) / Barclay James Harvest / Be Bop Deluxe / Camel / Caravan / Colosseum / Curved Air / Deep Purple / Egg / Electric Light Orchestra / Emerson, Lake and Palmer / Frank Zappa / Focus / Genesis / Gentle Giant / Greenslade / Hatfield & The North / Hawkwind / Jethro Tull / Man / Manfred Mann's Earthband / Matching Mole/ Mike Oldfield / Peter Gabriel / Procol Harum / Rare Bird / Roxy Music / Steve Hackett / Steve Hillage / Van Der Graaf Generator / Yes

Tracks:
Disc: 1
01. Theme 1 (Van Der Graaf Generator)
02. Dancing With The Moonlit Knight (Genesis)
03. Roundabout (Yes)
04. Joybringer (Manfred Mann's Earthband)
05. Back Street Luv (Curved Air)
06. Silver Machine (Hawkwind)
07. Locomotive Breath (Jethro Tull)
08. Hocus Pocus (Focus)
09. Hoedown (Emerson, Lake and Palmer)
10. Tomorrow Night (Atomic Rooster)
11. Child In Time (Deep Purple)
12. Valentyne Suite (Colosseum)

Disc: 2
01. Here Comes The Flood (Peter Gabriel)
02. Tubular Bells (Part 1) (Edit) (Mike Oldfield)
03. Winter Wine (Caravan)
04. May I? (Kevin Ayers & The Whole World)
05. Sympathy (Rare Bird)
06. A Salty Dog (Procol Harum)
07. Mocking Bird (Barclay James Harvest)
08. Which Way The Wind Blows (Anthony Phillips with Mike Rutherford & Phil Collins)
09. Lucky Man (Emerson, Lake And Palmer)
10. In Every Dream Home A Heartache (Roxy Music)
11. 10538 Overture (Electric Light Orchestra)
12. Mumps (Hatfield & The North)

Disc: 3
01. Peaches En Regalia (Frank Zappa)
02. Rhayader (From The Snow Goose) (Camel)
03. Pantagruel's Nativity (Gentle Giant)
04. Germ Patrol (Egg)
05. O Caroline (Matching Mole)
06. Bedside Manners Are Extra (Greenslade)
07. Meditation Of The Snake (Steve Hillage)
08. Spectral Mornings (Steve Hackett)
09. Ships In The Night (Be Bop Deluxe)
10. Keep On Crinting (Man)
11. Plague Of Lighthouse Keepers (Van Der Graaf Generator)


LINK1
LINK2
"Yes - Roundabout"

"ELP - Lucky Man"

"Camel - Rhayader"

1 de ago de 2011

NEKTAR -"Sunday Night At London Roundhouse" - 1974

Hoje nos comentários recebi um pedido referente a uma determinada música de uma determinada banda, porém há um dito popular que diz mais ou menos assim: “Para os Amigos tudo!!!! E para os inimigos apenas os rigores da Lei!!!!”, mas como quem me fez o pedido encontra-se no primeiro caso, não tive saída e ai está o Nektar e seu álbum, "Sunday Night At London Roundhouse", gravado em 1974, especialmente para você meu amigo, Roderick Verden

Verdadeira jóia musical e eu para variar já tinha esquecido dele e confesso que foi uma delícia escutá-lo tanto tempo depois, pois foi como escutar um novo álbum, muito legal mesmo e se alguém fica devendo alguma coisa aqui, pode ter certeza, este alguém, sou eu, pois foi uma grata surpresa e um excelente motivo dividi-lo com todos, já que é realmente uma preciosidade. 


E para o Roderick estar a fim de escutá-lo, em especial por conta das músicas, "Oop's", “Mudetango” e “Summer Breeze”, isto sinalizou que era coisa de primeiríssima qualidade e juro mesmo que não lembrava nem um pouco das duas músicas e muito menos do álbum. 

Não pensei duas vezes em postá-lo, pois afinal têm a chancela “RV” de qualidade e ele que entende muito do assunto e que sempre está colaborando com o blog com suas opiniões e comentários, sempre somando às tortas linhas que tento escrever, então, no mínimo seria uma obrigação minha disponibilizá-lo imediatamente para o amigo. 

Nem me atrevo a entrar em detalhes sobre o álbum e suas músicas, pois isto eu vou deixar por conta do Roderick, porém posso garantir que valerá muito a pena para quem se atrever a escutá-lo, pois vai ouvir um rock progressivo que há muito tempo não escutava e com uma simplicidade incrível, sem exageros, coisa de gênios. 

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Band:
Allan "Taff" Freeman / keyboards, vocals
Derek "Mo" Moore / bass, vocals
Mick Brockett / lights
Ron Howden / drums, percussion
Roye Allbrighton / guitars, vocals

Credits:
Engineer - Barry HammondEngineer - Vic Maile
Engineer [Remix] - Barry Hammond
Lighting [Lights] - Mick Brocket
Photography - Dieter Weis
Producer - Peter Hauke
Producer, Written-By - Nektar
Design [Cover Design] - Helmut Wenske

Tracks - LP version:
A1 Desolation Valley 9:50
A2 A Day In The Life Of A Preacher Featuring The Birth Of Oh Willie 11:30
B1 Oop's (Unindentified Flying Abstract) 6:37
B2 Mundetango 6:25
B3 Summer Breeze 2:40

LINK

"Mundetango"

"Oop's (Unindentified Flying Abstract)"

MARILLION - "The Singles 82-88" - 2000

Quando este CD-box do Marillion saiu, ou melhor, quando eu descobri sua existência em uma Fnac da vida, lógico, quase pirei, pois eram doze cd’s que continham músicas para mim, inéditas e algumas gravações de shows antológicos que tinha em fita cassete. 

É interessante tentar entender o raciocínio das gravadoras, que deixam de fora musicas como “Grandel” que é uma obra de arte, “Charting the single”, “Three boats down from the candy”, “Market Square heroes” e algumas outras músicas, que ficaram fora dos álbuns de estúdio que foram lançados ao longo do tempo.

A pergunta que fica é: “Porque tanto tempo para divulgar e difundir um material de qualidade incontestável, que fica mofando nas gravadoras, principalmente as que são oriundas dos shows, onde o artista mostra todo o seu talento, sem a ajuda de efeitos especiais de estúdio?”. 


Sei que há diversas respostas a este simples questionamento, porém, acredito que nenhuma é satisfatória o bastante para convencer-nos desta burrice empresarial, uma vez que simplesmente amamos estas músicas e que gostaríamos de ter acesso a todas elas e se as mesmas estivessem ao nosso alcance a um preço justo, com  certeza seriam adquiridas. 

Mas o que importa é que o erro parcialmente foi corrigido, portanto, acabamos sendo premiados com uma incrível compilação de músicas de estúdio e de shows realizados entre os anos de 1982 a 1988, contemplando as duas formações que o Marillion teve ainda na era Fish, com a substituição de Mick Pointer por Ian Mosley na bateria. 

A cobertura feita na discografia da banda está abrangendo desde o primeiro álbum, “Scrpit for a Jester Tear” até "Cluting at Straws”, o último de estúdio com a presença de Fish nos vocais e revela também grandes apresentações do início da carreira do Marillion, ou seja, tem música para tudo quanto é gosto, basta ouvir. 

Por tratar-se de uma compilação de versões de estúdio não aproveitadas e alguns registros de apresentações feitas, sendo que algumas das músicas, tenho alguma idéia de já ter escutado em alguns outros bootlegs, fica este CD-box oficial do Marillion, como um resgate às origens e a evolução musical da principal banda da segunda geração do rock progressivo. 

ALTAMENTE RECOMENDADO!!!!

Musicians:
Fish  -  vocals
Mark Kelly - keyboards
Ian Mosley - drums (discs 4 to 12)
Mick Pointer - drums, percussion (discs 1 to 3)
Steve Rothery - guitars
Pete Trewavas - basses

Tracks:


Disc one (26:07)
1. Market Square heroes (4:20)
2. Three boats down from the candy (4:32)
3. Grendel (17:15)







Disc two (13:33)
1. He knows you know (3:33)
2. Charting the single (4:53)
3. He know you know (12" version) (5:07)






Disc three (34:40)
1. Garden party (studio edit) (4:29)
2. Margaret (edit live) (4:09)
3. Garden party (7:15)
4. Charting the single (live) (6:30)
5. Margaret (live) (12:17)




Disc four (16:10)
1. Punch and Judy (single) (3:20)
2. Market Square heroes (rerecorded) (4:00)
3. Three boats down from the candy (rerecorded) (4:02)
4. Market Square heroes (rerecorded) (4:48)





Disc five (20:34) 
1. Assassing (single) (3:39)
2. Cinderella search (single) (4:23)
3. Assassing (7:03)
4. Cinderella search (5:29)





Disc six (21:21)
1. Kayleigh (single) (3:38)
2. Lady Nina (single) (3:44)
3. Kayleigh (Alternate mix) (4:08)
4. Kayleigh (Extended) (4:04)
5. Lady Nina (12" version) (5:47) 





Disc seven (12:12)
1. Lavender (single) (3:44)
2. Freaks (single) (4:07)
3. Lavender blue (12" version) (4:21)






Disc eight (16:46)
1. Heart of Lothian (single) (3:39)
2. Chelsea Monday (live) (7:25)
3. Heart of Lothian (5:42)






Disc nine (17:58)
1. Incommunicado (single) (4:00)
2. Going under (single) (2:44)
3. Incommunicado (5:17)
4. Incommunicado (Alternate) (5:57)





Disc ten (22:16)
1. Sugar mice (5:49)
2. Tux on (single) (5:14)
3. Sugar mice (radio edit) (5:02)
4. Sugar mice (Extended) (6:11)





Disc eleven (17:07)
1. Warm wet circles (7" remix) (4:20)
2. White Russian (live) (7:20)
3. Incommunicado (live) (5:27)






Disc twelve (15:32)
1. Freaks (live)*
2. Kayleigh (live)*
3. Childhood end? (live)*
4. White feather (live)*
* From the album "Thieving magpie"







NEW LINK - 1 
NEW LINK - 2 (corrigido)


"Market Square Heroes"

"Cinderella Search"

"Grendel"

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails