23 de jun de 2011

YES - "Fly From Here" - 2011

Sempre escutei esta frase: "Quem tem padrinho não morre pagão" e eu agora a complemento com: "E quem tem amigos também não", pois só um amigo daria a dica para chegar até o álbum, "Fly From here", do Yes, antes mesmo de seu lançamento oficial, previsto para doze de julho, portanto, só resta agradecer muito ao amigo, Ricardo Triumvirat que gentilmente passou esta dica para mim. 

Como só o escutei uma única vez, é melhor ser prudente, pois seria muito prematuro e também uma injustiça, fazer qualquer comentário a respeito deste trabalho e da nova formação que banda atualmente tem. 


Uma única coisa que deu para sentir logo de início, é que o som não sintoniza com o símbolo "YES", não há aquela sinergia da imagem da capa feita por Roger Dean com o que se escuta.

Isto aconteceu comigo com os outros álbuns e a viagem já começava pela capa, mas nesse caso é como se não fosse o Yes tocando, mas é muito cedo para tirar alguma conclusão mais precisa sobre este trabalho, portanto, esta dura tarefa eu deixo para quem se aventurar a escutá-lo, para poder tirar suas próprias conclusões e assim deixo de cometer uma possível injustiça com a banda que a mais tempo eu acompanho e gosto.

Musicians:
Chris Squire - bass guitar, vocals
Steve Howe - guitars, vocals
Alan White - drums
Geoff Downes - keyboards
Benoît David - lead vocals
Trevor Horn - vocals

Tracks:
01. Fly From Here - Overture 1:53 
02. Fly From Here - Pt. I - We Can Fly 6:00
03. Fly From Here - Pt. II - Sad Night at the Airfield 6:41
04. Fly From Here - Pt. III - Madman at the Screens 5:16
05. Fly From Here - Pt. IV - Bumpy Ride 2:15
06. Fly From Here - Pt. V - We Can Fly Reprise 1:44
07. The Man You Always Wanted Me to Be 5:07
08. Life on a Film Set 5:01
09. Hour of Need 3:07
10. Solitaire 3:30
11. Into The Storm 6:54
    
O álbum está disponível no site, Zona Musical: http://www.zona-musical.com/postp675749.html 

"YES - Fly From Here - 2011"

11 comentários:

  1. Olá, Gustavo!

    Realmente é um disco diferente, mesmo da fase mais moderna do Yes. Parece ser mais lírico, suave, com uma tendência quase folk-baladas, lembrando raras vezes o "América", porém mais sofisticado. O Yes inova, apresentando um disco de progressivo mais moderno do que de costume e sem querer fazer trocadilho, que precisamos nos acostumar em se tratando de Yes em um novo(?) estilo. Falta aquele baixo atonal e vigoroso, aquela guitarra recheada de riffs matadores, aquela bateria "locomotiva", aqueles teclados frenéticos e ... aquela voz suave e angelical que não envelhece nunca ... mas no todo, é um disco bem diferente da marca Yes. Tá ... vamos dar um desconto ... quando escutamos o "Drama" pela primeira vez, tomamos um baita susto! - Caramba! - Que disco diferente! É uma situação semelhante a que temos agora ... vamos ouvir melhor, nos acostumarmos melhor e tirarmos conclusões. O disco em si é muito bom!!!! Apenas, diferente do que estamos acostumados. aum fato não podemos negar ... graças a Deus não se trata de um disco "farofa FM", e sim de um disco de rock progressivo!

    Abraços

    Ricardo Triumvirat

    ResponderExcluir
  2. Meu irmão,

    Ainda não consegui chegar a uma conclusão definitiva a respeito deste trabalho, mas suas observações são no mínimo alentadoras e positivas, mas ainda me sinto um pouco incomodado com o fato da utilização de um material antigo e com uma origem a qual nunca consegui me identificar......

    Vou ouvir mais algumas vezes, sem a preocupação de fazer algum julgamento,.... simplesmente curtir o álbum....

    Por isso estou tendo o cuidado de não fazer críticas antes do tempo...

    Lí seu e-mail a respeito do álbum Sábado Som, que já está sendo ripado do vinil para mp3 e acredito que amanhã no final da tarde ou no máximo na segunda feira ele esteja disponibilizado....

    Um bom final de feriado.....

    Abraços,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  3. YEAH !!!!
    Brigadão!

    Abraço
    Bom Feriadão!

    Ricardo Triumvirat

    ResponderExcluir
  4. Concordo em parte com o comentários acima, porem estou muito feliz com a volta do YES, em particular acredito que os tempos mudaram, me lembro de comprar os discos do YES e chamar os amigos para a sala de casa e ouvir em silencio absoluto, logo após olhavamos uns para os outros e nem sabiamos o que comentar por tamanha a musicalidade, eu aprendi a curtir YES com um grande amigo e hoje ouvir o CD sem poder compartilhar opiniões com ele me deixa nostaugico, pra finalizar acredito que o album está ótimo como todos os outros, nós é que mudamos e talvez não tenhamos o mesmo entuziasmo para ouvi-lo :(

    ResponderExcluir
  5. Caro Thiago,

    É bem possível que com o passar do tempo, nosso nível de tolerância vá diminuindo, mas a minha ressalva a este álbum, refere-se apenas ao fato de utilizaram-se de um material que faz parte de um período da banda ao qual eu não me identifico até hoje, em detrimento de terem a coragem de criar um novo material, pois talento há de sobra em todos eles (Chris, Steve e Alan)....

    No mais, amigo, a casa é sua e a satisfação é toda nossa em tê-lo aqui no blog....

    ABraços,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  6. Olá Gustavo, parabéns pelo blog!!

    Cara, fiquei muito feliz com a volta do Yes, nesse álbum, apesar de eu ter apenas 23 anos, aprendi a curtir essas bandas mais clássicas, e o Yes com certeza é uma delas.
    Então, achei muito bom esse disco, mesmo, muito bem tocado, gravado, belíssimos arranjos. Gostei muito dos vocais do Benolt, quando estiver a venda com certeza comprarei o meu para ter em casa, obra como essas temos que privilegiar, mesmo!!
    Porém, é difícil fazer comparações com outros álbuns, na minha opinião, álbuns como Fragile e Close to the Heart são verdadeiros clássicos da história do rock, portanto, prefiro analisar esse álbum comparando com o que é lançado na atualidade, é com certeza é o melhor do ano até agora, só estou esperando sair o novo do Dream Theater, outra bandaça!!!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. opa, desculpe, eu queria dizer Close to the Edge!!

    ResponderExcluir
  8. Caro El Verdugo,

    Apesar de sua pouca idade, seu bom gosto musical já está muito bem definido e você tocou em um ponto muito importante, pois não dá para comparar o "Yes Clássico" do "Novo Yes"......, pois são pesos e medidas completamente diferentes....

    Eu ontem postei um álbum do ABWH exatamente para mostrar isso.... se puder, dê uma conferida lá.....

    Volte sempre!!!!

    Abraços,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  9. Prezado Gustavo, acredite....de Yes eu entendo....leia post do Leonard sky (o último )...fui a crítica mais lúcida e honesta que li até agora...o cara tá coberto de razão...esse disco é du caralho....é a melhor coisa que ouvi desde Drama....Isso mesmo véio...eu falei Drama...Ouça esse disco na íntegra e depois ouça Fly From Here...como eu disse....De Yes eu entendo...In to the Lens é uma obra prima...A Musica mais seminal que o Yes já fez...parece que foi concebida em um laboratório...Vai por mim meu irmão.... e parabens pelo Blog...Abraço a toda comunidade Yes..vocês são foda...

    Abraço a todos!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Ahhhh.......Meu Nome é Carlos....autor do post acima...sou Yes Maníaco desde que Jon Anderson era Maestro na antiga Atlantida...

    ResponderExcluir
  11. Caro Carlos,

    Curiosamente enquanto você tecia seus comentários, eu estava preparando e postando mais uma preciosidade do "Yes", o bootleg, "Endless Road"....

    Quanto ao álbum, "Fly From Here...", eu ainda não tive a oportunidade de escutá-lo como ele merece, por isso até agora eu tenho omitido a minha opinião a respeito deste trabalho, para não cometer uma injustiça........

    Na verdade eu já li muita coisa a respeito do álbum, inclusive esta que você recomendou e em geral os comentários têm sido bem positivos, portanto acredito que chegue também a esta conclusão....

    Meu amigo, a casa é sua e satisfação da sua presença no blog é toda nossa, portanto volte sempre!!!!

    Abraços,

    Gustavo

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails