11 de jan de 2011

TRIUMVIRAT - "Old Loves Die Hard" - 1976

Muito pressionado pelo sucesso de "Spartacus", lançado em 1975, o álbum, "Old Loves Die Hard", lançado no ano seguinte, teria uma árdua tarefa em sustentar a boa fase que o Triumvirat estava passando e considero que de alguma forma o feito foi conseguido.

Com boa parte das músicas com tempo superior a sete minutos e com novidades em sua formação, pois o grupo praticamente foi desfeito com a morte estúpida e prematura de Helmut Köllen, Jürgen Fritz e Hans Bathelt tiveram que reestruturar a banda que passou a ser um quarteto e de cara tiveram a dolorosa missão de manter a banda de pé, conseguindo um baixista e vocalista a altura de Helmut Köllen.

Para tanto, foram convidados para a banda, Barry Palmer para fazer os vocais, por sinal, têm uma belíssima e potente voz e Dick Frangenberg que deu conta do baixo sem muito esforço, portanto a banda estava apta a voltar aos estúdios para o novo álbum.

É lógico que superar um trabalho anterior que teve uma aceitação muito grande, praticamente o melhor álbum da banda, com reconhecimento pelos cinco continentes é algo muito difícil e ainda por cima com a banda tentando achar o seu melhor entrosamento.

"Old Loves Die Hard" não decepciona, ao contrário, é um álbum muito bem estruturado, com composições consistentes e o melhor de tudo é que com o novo elenco, a banda conseguiu manter o alto padrão musical que ainda fazia parte da rotina do Triumvirat naquele difícil momento, mas isso é uma opinião minha e entendo que muitos não concordarão com o que disse, o que é absolutamente sadio e normal, uma vez que manifestações artísticas são absorvidas de forma diferente e única para cada ser vivente.

Já na faixa de abertura, "I Believe", Barry Palmer nos mostra a que veio com uma brilhante interpretação para esta leve balada que ao seu final tem até um coro feminino muito bonito e interessante e logicamente Jürgens Fritz dando sua costumeira pós-graduação em teclados e tanto Hans Bathelt como Dick Frangenberg muito entrosados, fecham o ciclo musical com muita competência.

A suíte, "The History Of Mistery", dividida em duas partes é uma viagem garantida, tem a essência da banda em seus acordes, é o Triumvirat que estamos muito acostumado a escutar, um prêmio para nossos exigentes e rabugentos ouvidos, sempre em busca de novas sensações. 

Tem também a melosa, "A Cold Old Worried Lady”, que muito serviu de trilha sonora para um  amassos com as namoradas lá na Floresta da Tijuca - RJ e quem viveu nesta época vai lembrar e entender muito bem o que disse. 

Em resumo, "Old Loves Die Hard" para mim é uma gratíssima surpresa, um brinquedo inesperado que chega magicamente as mão de uma criança e até hoje quando o escuto, sinto o mesmo que a mais de trinta anos atrás senti quando o escutei pela primeira vez, uma enorme satisfação e orgulho em ter vivido em uma época tão rica para o rock.


Musicians:
Hans Bathelt - Slingerland percussion
Dick Frangenberg - Fender bass
Jürgen Fritz - Steinway Grand piano, Hammond C3 organ, Moog synth., Fender-Wurlitzer hohner-piano string ensemble
Barry Palmer - lead vocals

Tracks:
1. I Believe (7:52)
2. A Day In A Life (8:14)
3. The History Of Mistery (Part One) (7:50)
4. The History Of Mistery (Part Two) (4:00)
5. A Cold Old Worried Lady (5:50)
6. Panic On Fifth Avenue (10:31)
7. Old Loves Die Hard (4:28)
8. Take A Break Today (Bonus Track) (3:44)

LINK

"The History Of Mistery (Part One)"

"The History Of Mistery (Part Two)"

"Old Loves Die Hard"

8 comentários:

  1. Caro Gustavo,

    Esse disco tem história. Uma historia , q pode ser monótona, da minha vida. Eu estava no auge do fanatismo pelo rock. Comprei "Chocolate Kings", do Premiata. Não gostei.Troquei, na mesma loja, pelo Rush, "Caress of Stell",tb não gostei(rs). Sem jeito, pedi a um conhecido q trocasse o Rush pelo Triumvirat, q vc postou.Ele conseguiu(rs). Ainda tenho o mesmo disco. E depois gostei dos dois discos citados e rejeitados(rs), os quais curto muito.
    Minha música preferirada do grupo é Panico na quinta avenida. E "I Believe" não dá pra ficar indeferente; "Eu vendi minha alma para o rock and roll, mas nunca a tive de volta".

    Meu caro, respondo agora, lhe desejando um ótimo 2011. Saúde e paz. E parabéns pela sua paixão pelo rock, pela música, expressando ao máximo o amor que sentimos por essas músicas, que tanto nos embalam.

    ResponderExcluir
  2. Caro Roderick,

    É isto aí meu amigo, a paixão pela música é incontrolável, difícil de explicar este sentimento que nos move em direção a ela......

    É um combustivel diário que faz com que eu tenha forças para aguentar as batalhas diárias........

    Eu gosto muito deste trabalho do Triumvirat e para mim é um dos melhores produzidos.....

    Mais uma vez, um 2011 iluminado para você e todos os seus...........

    Um forte abraço,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  3. Saudações Caro Lord Gustavo!

    Estou mais uma vez, deliciando-me nesse seu excelente espaço, quando deparei-me com essa sua brilhante resenha do Triumvirat.
    Após a atenta leitura dessa sua magistral matéria, não posso deixar de consignar minha sincera admiração pela qualidade do texto. Com absoluta objetividade e clareza, conseguis-te sintetizar não apenas o conteúdo dessa obra, como descreves-te com maestria a dificuldade que deve ter sido realizar esse trabalho, fato esse, que me passou desapercebido, até ter meus "olhos abertos" pelas suas considerações.
    Parabéns meu amigo! O álbum, no meu entender, já era bom, agora, depois dessa sua aula, concluo que ele é fantástico, assim como o 'Spartacus', o 'Ilusion' e o 'Mediteranean'. Dessa obra também gosto muito da "Panic On Fifth Avenue" e "I Belive".
    Um Grande e Forte AbraçO!
    Longa vida a vc. e ao Blog!
    MM.:

    ResponderExcluir
  4. Bicho, assim você me deixa sem graça......

    To me sentindo igual a um Pavão.... rsrsrsrs

    Isto foi escrito as presas, baseado em lembranças minhas que nem tenho como confirma-las veridicamente.... são apenas suposições em cima de fatos que realmente ocorreram na naquela época.....

    Mas de qualquer forma é muito gratificante receber tão honrosa distinção que vem de um amigo que é responsável por um dos blogs mais conceituados e visitados da Internet.

    Muito obrigado Mercenário.

    Um fortíssimo abraço

    Gustavo

    ResponderExcluir
  5. Estou conhecendo esse blog neste minuto. Caí aqui por acidente, enquanto procurava o disco em questão resenhado aqui. Gostei muito do texto a respeito do Old Loves Die Hard! Hoje em dia, nestes blogs de música que tem espalhados pela net, se capta tanta arrogância e ar de superioridade ao se escrever sobre música, mas percebo que quem viveu os maravilhosos anos dourados do Rock escrevem desprendidos destes sentimentos e são os que realmente tem o que dizer. Meus parabéns ao Autor pelo ótimo texto! Longa vida ao blog! --Luciano

    ResponderExcluir
  6. Caro Luciano,

    Muitíssimo obrigado pelas palavras dirigidas ao blog, muito obrigado mesmo....

    Os textos na verdade são fruto de experiências anteriores e devaneios que vêm à cabeça, portanto, o blog é o meu divertimento, a minha cachaça, sem espaço algum para vaidades ou coisas do gênero........

    A casa é sua e a satisfação em tê-lo por aqui é toda nossa, portanto amigo, volte sempre!!!!

    Abraços,

    Gustavo.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Gustavo! Dei uma olhada rápida, mas conteúdo interessante é o que não falta em seu blog, e só pra não passar batido, o Old Loves Die Hard já é disco de cabeceira!!! Nota 1000!---Luciano

    ResponderExcluir
  8. O old loves die hard para mim é o melhor cd de longe...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails