17 de nov de 2010

PENDRAGON - "The Window of Life" - 1993

O Pendragon, assim como IQ e o Marillion, foram as bandas responsáveis pela sobrevida que o rock progressivo teve ao final dos anos setenta, pois com o fortalecimento do movimento Punk na Europa e principalmente na Inglaterra, o desgaste do movimento anterior era latente e estava em um momento agonizante.

O que se percebe na música do Pendragon, é que houve uma síntese e uma sinergia muito bem feita dos elementos musicais encontrados em bandas como, Pink Floyd, Genesis e Yes e fundidos em um só, sob uma química perfeita gerando um novo movimento, conhecido como Neoprogressivo ou coisa semelhante.

Mas no fundo, são os mesmos elementos encantadores e cativantes do passado sob uma nova ótica, mais moderna, que permitiu que as grandes bandas do início da década de setenta tivessem o seu devido reconhecimento e a oportunidade de continuar na ativa com algumas mudanças de ordem estrutural e filosóficas.

O álbum, "The Window of Life", de 1983 é um bom exemplo para esta teoria, tendo em vista a semelhança de enredos, timbres de instrumentos e arranjos musicais sinfônicos, sustentados por potentes sintetizadores e guitarras tocadas bem ao estilo de David Gilmor, mas sem aquela tendência a uma mera cópia, mas ao contrário disto, acompanhada do aperfeiçoamento do modo de tocar de um dos maiores guitarristas da humanidade.

A primeira faixa "The Walls Of Babylon" começa em um misto da introdução de "Shine on You Crazy Diamond" e "Watcher Of The Skies", simplesmente fantástica e as músicas, "Breaking The Spell", "The Last Man On Earth" e "Nostradamus", faço questão de destacar também, pois são peças musicais de grande valor que espelham o talento da banda em compor e executar suas músicas. 

Musicians:
Nick Barret: guitarra, vocal
Rick Carter: teclados
Fudge Smith: baterìa
Peter Gee: baixo
Simon Foster: armonica

Track-list:
1. The Walls Of Babylon
2. Ghosts
3. Breaking The Spell
4. The Last Man On Earth
    I. Skylight
    II. Paradise Road
5. Nostradamus (Stargazing)
6. Am I Really Losing You?

LINK.

"The Walls Of Babylon"

"Breaking The Spell"

2 comentários:

  1. movimento PUNK é uma concepção muito equivocada sobre a era progressiva oitentista, que erraticamente as pessoas denominam "neoprog"(uma abordagem simplista e artificial do progressivo de raiz)...
    VEJA QUE o que voces chamam de neoprogressivo" onde pads (rolands, kurzweil, yamaha e korgs) substituem hammonds nada mais é do que uma TENDENCIA iniciada por bandas como CAMEL e PINK FLOYD, e adotada por todas as outras ( pode se incluir YES e GENESIS)...Pode se observar que hinos de marillion como "script for a jester tear" e "the shadow" de pendragon são musicalmete equiparados a outros classicos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anonimo,

      Acho que você não leu com a devida atenção o que está escrito na resenha.....

      O movimento Punk em nada tem a haver com o movimento "Neoprog", iniciado na década de oitenta, apenas foi citado, por ser uma nefasta tendência de uma época...

      Aliás, o movimento Punk, está anos-luz atrás de qualquer movimento progressivo, pois baseia-se em musicas de uns três acordes no máximo, combinados com letras medíocres que nada diziam e definitivamente foram enterradas, pois não há a menor sombra de sua existência em outras tendências musicais que surgiram depois....

      Quanto ao uso deste ou daquele equipamento, independente de sua época, não é seu uso que determina esta ou aquela "Tendência" a que se refere, mais sim, a suas raízes e origens.....

      E se o Neoprog um dia existiu, foi graças ao Rock Progressivo da década de setenta, que soube cativar os mais jovens a produzir uma música de altíssima qualidade, que permitiu que diversas bandas dos anos setenta, estivessem na ativa até hoje....

      Abs,

      Gustavo

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails